Justiça determina busca no gabinete do prefeito do Rio

http://www1.folha.uol.com.br/esporte/1092109-justica-determina-busca-no-gabinete-do-prefeito-do-rio.shtml

Justiça determina busca no gabinete do prefeito do Rio

MARCO ANTÔNIO MARTINS

DO RIO

Oficiais de Justiça receberam determinação judicial de buscar no gabinete do prefeito do Rio, Eduardo Paes, e na sede da empresa RJZ Cyrela documentos que comprovem o acordo feito entre eles para a construção de um campo de golfe, na Barra da Tijuca.

A ordem de busca e apreensão é do juiz João Felipe Ferreira Mourão, da 15ª Vara de Fazenda Pública. O campo está sendo construído para a Olimpíada do Rio-2016.

Um processo que tramita no Tribunal de Justiça do Rio questiona a posse do terreno de 377 mil metros quadrados.

Paula Giolito – 20.dez.11/Folhapress
Eduardo Paes gesticula durante entrevista
Eduardo Paes gesticula durante entrevista

De um lado, o empresário Pasquale Mauro diz ser o proprietário. Do outro, a empresa Elmway Participações Ltda afirma ser dona da área.

Representantes da Elmway afirmam que, se a posse do terreno ainda não foi decidida pela Justiça, a Prefeitura não poderia ter decidido construir o campo ali.

Em março, Paes participou de um evento no terreno, ao lado de representantes da RJZ Cyrela e de Pasquale Mauro, lançando uma parceria público-privada para a obra.

De acordo com site da Prefeitura do Rio, a construção, orçada em R$ 60 milhões, e a manutenção do local ficariam a cargo da iniciativa privada.

Em troca, o prefeito assinou um decreto permitindo a construção de 23 prédios de 22 andares na região, beneficiando o empresário Paquale Mauro e a RJZ Cyrela.

Desde o lançamento do empreendimento, a Justiça tenta obter os documentos.

O procurador da prefeitura, Rubem Ferman chegou a emitir um parecer, anexado ao processo, informando que não há qualquer tipo de acordo entre o município e a empresa para a construção do campo de golfe. A informação surpreendeu o juiz, já que houve o anúncio da parceria.

Contatada, a RJZ Cyrela não se pronunciou até a conclusão desta edição. Pasquale Mauro não foi encontrado para comentar o caso.

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *